Post thumbnail

Para permitir que os seguidores e apoiantes da For The Win Esports Club possam seguir mais proximamente o que se passa dentro dos Club Challenges, decidimos montar uma coleção de entrevistas semanais às equipas e jogadores que participam na Liga FTW Club Challenge #2 CS:GO.

Em primeiro lugar, fomos de encontro à FTW.Club SrFernando. Esta equipa é uma repetente, tendo participado na primeira edição desta Liga, onde terminaram em 5º lugar em 7 equipas. Agora, pretendem recuperar o que não alcançaram na edição anterior. Atualmente estão empatados em primeiro com a FTW.Club Heirloom, com 6 pontos – 2 vitórias.

O formato regular das entrevistas envolverá duas perguntas gerais à equipa, seguidas por 5 perguntas, cada uma direcionada a um jogador diferente.

 

Olá SrFernando! Desde já, parabéns por se requalificarem para a Liga FTW Club Challenges, desta vez na Edição #2. Sendo a vossa segunda vez aqui, que balanço fazem disto? ​​
Muito obrigado. Decidimos participar mais uma vez porque esta liga “obriga-nos” a treinar duma forma mais organizada e faz com que nos tornemos mais competitivos em querer sempre alcançar o melhor lugar. Na primeira edição acabámos por nos afastar um pouco por mudanças no roster da equipa, o que dificultou a nossa organização interior. Nesta edição conseguimos ver uma evolução na organização e estruturação na liga, com um manager para cada duas equipas, o que torna mais fácil a comunicação entre cada equipa. O fornecimento de um servidor de jogo dá-nos um espaço para treinar contra outras equipas e melhorar os pontos fracos, preparando-nos melhor para os jogos da liga.

 

Com certeza trouxeram coisas novas agora, querem falar um pouco sobre isso? Acham que isto será suficiente para vencerem esta edição? Nesta edição estamos com uma equipa mais equilibrada e estável, onde o ambiente é bem mais organizado e relaxado.
Jogamos há cerca de dois meses juntos, conhecemos as forças e falhas de cada um e tentamos sempre utilizar o ponto forte de cada um para estruturar ronda a ronda. Treinamos diariamente para estender a nossa map pool e ter sempre um plano preparado para cada mapa. Ultimamente treinamos mais em ‘pracc’s’ do que em FACEIT, o que faz com que percebamos o que funciona e o que podemos melhorar contra equipas com melhor comunicação e planos de jogo. Estamos bastante empenhados e com confiança que vamos obter bons resultados e sair por cima nesta liga.

 

Quem é o teu jogador preferido português e estrangeiro? Porquê?
Rodrigo “thinKING” Guerreiro:
Português: fox. Foi o único português a conseguir estar numa das melhores equipas do mundo e representou bem Portugal e os SK. Estrangeiro: Niko. Um dos melhores jogadores de rifle da atualidade. É um jogador consistente e super calmo.

 

Jogas Counter-Strike há quanto tempo? Ainda não houve nada que te fez largar o jogo?
José “zbrit0” Brito:
Jogo Counter-Strike há mais ou menos 10 anos, joguei CS 1.6 e agora CS:GO. Na altura que o Counter-Strike 1.6 já estava “no fim”, quase não havia campeonatos online ou offline, o LoL começou a aparecer e começou a crescer, tive a tentação de mudar de jogo, mas nunca deixei de jogar Counter-Strike pois é o único jogo que me dá emoção a jogar, o resto dos jogos que já experimentei , a certa altura ficam muito chatos e repetitivos, ou então sem muita gente para jogar.

 

Sendo que tu e a vossa equipa estão na FTW há algum tempo, o que acham da experiência como FTW?
Luís “RONALDO” Viegas:
Sempre nos trataram bem, não temos nada a apontar. A malta é sempre porreira e bem disposta e é muito bom ver que continuam a criar eventos para evoluir a scene portuguesa.

 

Com a evolução do cenário de CS:GO em Portugal, achas que se esteja a tornar mais complicado para um jogador novo se integrar? Por que motivo?
Rafael “BriSingr” Galvão:
Sendo o jogador mais novo da equipa, acho que muito pelo contrário. Os jovens têm cada vez mais facilidade de se integrar, muitas vezes por terem, por exemplo, um bom aim, e precisarem apenas de trabalhar a sua atitude no jogo a nível de equipa. Somos os que temos mais tempo para gastar no jogo e com mais margem de evolução. Cada vez mais vemos nas grandes equipas que as estrelas são os mais jovens, como é o caso do ropz, s1mple, Magisk, Stewie2K, etc.

 

O que achas que os Club Challenges podem fazer para o cenário mais jovem do CS:GO em Portugal?
Rúben “rBlAdD3R” Bexiga:
A scene mais jovem precisa de ganhar experiência e presenças em torneios. Os Club Challenges fazem com que tenham de treinar e aprendam com os próprios erros de cada jogo. Uma liga é diferente de um torneio em que se perde um jogo e é eliminado. Numa liga há sempre a vontade de ganhar mais e analisar as equipas.


Um obrigado à equipa pela disponibilidade e um desejo de boa sorte no resto da Edição #2 da Liga FTW Club Challenge!